Búsqueda bibliográfica

Referencias bibliográficas

Revistas e livros impressos (base de dados das bibliotecas da EBP)

• Adolescência

  • Aberastury, A. & Knobel, M., (1981). Adolescência normal: um enfoque psicanalítico (S.M.G., Balve Trans.). Porto Alegre: Artes médicas.
  • Autran, P., (2001). Juiz de menores multa pais de adolescentes flagrados bebendo. Núcleo de Pesquisas em Toxicomania e Alcoolismo da EBP-RJ. Rio de Janeiro: EBP RJ.
  • Bentes, L., (2000). A adolescência e as drogas. A-Dictos. Rio de Janeiro: Núcleo de Pesquisas em Toxicomania e Alcoolismo da EBP-RJ.
  • Escola Brasileira de Psicanálise – Rio de Janeiro (1996). Adolescência: o despertar. Rio de Janeiro: Contra Capa.
  • Escola Brasileira de Psicanálise Delegação Geral Goiás/Distrito Federal (novembro 2016) A Adolescência e os impasses do Desejo. Apalavra. Goiânia: EBP. Delegação Goiás/Distrito Federal.
  • Friedman, M. et al. Attempted suicide and self-mutilation in adolescence: some observations from a psychoanalythic reaear. In Cottet, S (org.). Puberdade catástrofe e outros artigos. Rio de Janeiro: EBP.
  • Garcia, C., (2001, abr.). Em conflito com a lei. Curinga: a criança entre a mãe e a mulher, (15/16), 122-129.
  • Glover, E. et al. (1970). A psicanálise de hoje: a aproximação moderna aos problemas humanos (E.D. Velloso), Rio de Janeiro: Imago.
  • Naveau, P., (2000). Adolescência e análise: uma saída do impasse. In C.R. Lima, D.R.R. Lima, E. Monteiro, H.S.de Castro (Trads.) O florilégio 2000: II Congresso da Associação Mundial de Psicanálise (pp. 35-38). Rio de Janeiro: EBP.
  • Stiglitz, G., (2009). La família y la época. Psicoanalisis con niños y adolescentes (pp. 109-112). Buenos Aires: Grama ediciones.
  • Trafford, A., (2001). Caçadores de sensações ou vitimas de depressão. Núcleo de Pesquisas em Toxicomania e Alcoolismo da EBP-RJ. Rio de Janeiro: EBP.

• Estranho familiar

  • Freire, A.B., (2001). Psicose e impossibilidade: o real em questão. In Consentino, J.C. (org.), O estranho na clínica psicanalítica vicissitudes da subjetividade (pp. 87-98). Rio de Janeiro: Contra Capa.
  • Laia, S., (2007). Metamorfosis de la família. Córdoba: CIEC.
  • Queiroz, E.F. de O., (2004, dez.). O "estranho" filho adotivo: uma leitura clínica do Unheimlich na adoção. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 7(4), 100-111.
  • Ruiz, A.L. (2013). Manifestaciones depressivas y depresiones en niños y adolescentes. In Ramírez, M.E. et al. (Ed.), Conductas de riesgo en el àmbito escolar (pp.33-48). Medellín: NEL.

• Família

  • Centro de Estudo e Pesquisa em Psicanálise com crianças, (1998). Fort-da, (4-5).
  • Duba, C., (2015, ago.). O direito de ter um filho. Notas sobre maternidades e paternidades contemporâneas. Latusa, (20), 209-216.
  • Laia, S., (2014). A violência nas cidades e o enxame que emaranha a vida: uma leitura referenciada na psicanálise de orientação lacaniana. In Santos, Coelho, T., Santiago, J. & Martello, A. (orgs.) Os corpos falantes e a normatividade dos supersocial (pp. 281-303). Rio de Janeiro: Cia. de Freud.
  • Laurent, E., (2012). Un nuevo amor para el siglo?. El Caldero de la Escuela, (18).

• Ficções familiares (romance familiar)

  • Baptista, M.E.N., (2006, mai.). Os bebês na série dos gadgets. Opção Lacaniana, (45), 64-67.
  • Castro, S. de, (2001, abr.). No limite. Curinga, (15/16), 48-53.
  • Cottet, S., (1996). Estrutura e romance familiar na adolescência. In Escola Brasileira de Psicanálise (Ed.), Adolescência: o despertar (pp. 7-20). Rio de Janeiro: Contra Capa.
  • Drummond, C., (2001, abr.). A palavra que humaniza o desejo. Curinga, (15/16), 54-59.
  • Garcia, G.l., (1996, jun.). Viene al caso. El caldero de la Escuela, (42), 31-33.
  • Lacadée, P., Nominé, B., Sauret, M.J., (1992). L'enfant, la verite et le roman familial: Presses Universitaires. Palestras do seminário itinerante realizado entre Bordeaux, Pau e Toulouse, integrantes do C.E.R.E.D.A.
  • Nogueira, C.S.P., (2002). A toxicomania e o pai. Curinga, (18), 34-41.
  • Oliveira, S.E., (2006, nov.). Pater incertus. Curinga, (23), 107-112.
  • Oliveira, S.M.E. (2001, abr.). O romance familiar e suas exceções. Curinga, (15/16), 28-39.
  • Pimenta Filho, J.A., (2009, nov.). Novas configurações familiares: novos semblantes, novas ficções? Latusa, (14), 81-89.
  • Ruth, P. & Santoro, V.C., (2011). O fio do desejo. Reverso, (62), 93-98.

• Identidade de gênero

  • Assef, J., (2013). De que sexuación puede uno fiarse? La identidad de gênero a partir de dos modelos Del cine contemporâneo. In Torres, M. (org.). Transformaciones: ley, diversidad, sexuación (pp.373-380). Olivos: Grama Ediciones.
  • Fajnwaks, F., (2015). Como vivimos hoy. Córdoba: Babel.
  • Sinatra, E., (2013). @s nov@s adit@s: a implosão do gênero na feminização do mundo. Cera, F. (trad.), Florianópolis: cultura e barbárie.
  • Triveño, G., (2013). Identidad de Gênero y cuerpo. In Torres, M. (org.). Transformaciones: ley, diversidad, sexuación (pp. 255-258). Olivos: Grama Ediciones.
  • Zucchi, M., (2008). Sobre o sexo e os limites do semblante. Latusa: o semblante e a comédia dos sexos, (13), 85-94.

• Infância e solidão

  • Castro, s. de, (1998, abr.). A inexistência do outro em nosso mundo contemporâneo. Curinga, (11), 45-46.
  • Cirino, O., (1998, abr.). O autista, o ovo e a solidão. Curinga, (11), 94-97.
  • Rosa, M., (2008). A "Pilula e o mito da relação sexual. In Fuentes, M.J. & Veras, m. (orgs.), Felicidade e sintoma: ensaios para uma psicanálise do séc.XXI (pp.97-109). Rio de Janeiro: Corrupio.
  • Santiago, A.L., (1998, abr.). Infância e segregação: quando o saber diagnostica o acesso à escrita como fracasso. Curinga, 11, 58-61.
  • Vidigal, C. (1998, abr.). A criança sintoma: uma criança é um sintoma porque Denise está chamando. Curinga, 11, 85-87.

• Irmãos

  • Attié, J., (2011, nov.). O crime que Dostoievsky não cometeu. Opção Lacaniana, (61), 53-68.
  • Miceli, A.V.P. & Zornig, S.M.A. (2012, janhttp://www.asuntosdefamilia.com.ar/jun.). Câncer infanto-juvenil: o trauma dos irmãos. Tempo Psicanalítico, 1(44), 11-26.
  • Sawick, O., (2007). Fraternidade e Nome-do-Pai. Opção Lacaniana, (50), 157-158.

• Mãe

  • Batla, Elba, Criscaut, J., Favret, E. & Freid, S., Nemaric, A.C., Rossi, L., Valla, D., (1993). Un estrago: la relación madre-hija. Buenos Aires: Anáfora.
  • Biagi-Chai, F., (2011). Infanticídio: uma contra-avaliação psicanalítica. Aleph, (2), 89-97.
  • Escola Brasileira de Psicanálise – Minas Gerais, (2001, abr.). A criança entre a mãe e a mulher. Status Curinga, (15/16).
  • Facury, T., Ribeiro, P. & Vidigal, C., (2007). Do fenômeno psicossomático ao romance familiar. Curinga, (25), 65-68.
  • Maracajá, M., (2012). Parentalidades à la carte e a utopia pós-sexual. Falasser, (6), 159-163.
  • Mattos, C.P., (2001, abr.). Um menino chamado Amódio. Curinga, (15/16), 40-47.
  • Santiago, A.L. (1993). Notas sobre a subjetivação da castração materna. IV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano: demanda e desejo na entrada da análise. Belo Horizonte: Tahl.
  • Tendlarz, S.E., (1997). De que sofrem as crianças?: a psicose na infância. Rio de Janeiro: Sette Letras.

• Novas configurações familiares

  • Elia, M.A., (2007). Novas parcerias. Novas famílias? Falasser –
  • Revista da delegação da Paraíba, (2), 119-125.
  • Levy, L., (2011). A psicanálise e a homoparentalidade. Cadernos de Psicanálise – CPCRJ, 27(30), 153-176.
  • Maracajá, M., (2009). Tenho dois papais, como saí da barriga de uma mamãe?: impasses na clínica da homoparentalidade. Falasser – Revista da Delegação da Paraíba, (4), 85-89.
  • Maracajá, M., (2012). Parentalidades à la carte e a utopia pós-sexual. Falasser, (6), 159-163.
  • Ons, S., (2014). Homoparentalidade. In Machado, O. (trad.). Scilicet: um real para o séc. XXI. Belo Horizonte: Scriptum.
  • Pimenta Filho, J.A., (2009, nov.). Novas configurações familiares: novos semblantes, novas ficções? Latusa, (14), 81-89.
  • Reymundo, O., (2001, set.). Novas famílias, novas implicações éticas. Opção Lacaniana, (31), 75-78.

• Pai

  • Alvarenga, E., (2006). A ciência e os novos pais. Opção Lacaniana, (47), 23-26.
  • Araujo, S.M.B., ((2006, jun.). Pai, aproxima de mim esse cálice: significações de juízes e promotores sobre a função paterna no contexto da justiça. Psicologia em Revista, 12(19), 88-89.
  • Barros, F.O., (2005). Do direito ao pai: a paternidade no tribunal e na vida. Belo Horizonte: Del Rey.
  • Barros, M.R.R., (1997, abr.). O sintoma da criança: uma questão para a família conjugal. VII Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, São Paulo.
  • Barros, M.R.R., (1998, mar.). O pai real e a realidade do pai: seu efeito no sintoma. Latusa, (2), 61-72.
  • Berenguer, Enric. Fratria e Nome-do-Pai. In Mirta Zbrun (Trad.). Scilicet Nomes do Pai. (pp.62-64). Rio de Janeiro: EBP.
  • Bogochovol, A., (2006, nov.). Editorial. Carta de São Paulo, 13(2), 4-6.
  • Brousse, M-H. & Ésque, X., (2007). Amar al padre o al sinthome? Buenos Aires: Grama Ediciones.
  • Castrillo, M.D. & Coccoz, V., (1998). El partenaire fraterno entre el deseo y el goce. Freudiana, (24), 27-34.
  • Colofon: Boletín de la Federación Internacional de Bibliotecas del Campo Freudiano. Clinica de la sexuación y (no) clínica del gênero, (2002, Nov.).Escola Brasileira de Psicanálise – Rio de Janeiro (2000). Florilégio 2000:II Congresso da Associação Mundial de Psicanálise (C.R., Lima; D.R., Lima; E., Monteiro, H.S., de Castro & Lilany trans.). Rio de Janeiro: EBP.
  • Fajnwaks, F., (2013, mar.). Famílias sintomáticas. Opção Lacaniana on-line, (10). Recuperado de www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_10/Familias_sintomaticas.pdf
  • Falasser: Revista da Delegação Paraíba, 2, 2007.
  • Guimarães, L., (2010). Mãe nos tempos do declínio do pai. Arteira – Revista de psicanálise, (3), 61-84.
  • Laurent, E., (2005, nov.). O nome-do-pai entre o realismo e o nominalismo. Opção Lacaniana, (44), 92-109.
  • Maracajá, M., (2011). O que sabem as crianças da era pós-paterna? Falasser- revista da delegação da Paraíba, (5), 153-159.
  • Miller, J.A., (1992). Comentario del seminário inexistente. Buenos Aires: Manantial.
  • Miller, J.A., (1998). Os casos raros, inclassificáveis, da clínica psicanalítica: a conversação de Arcachon. São Paulo: Biblioteca Freudiana Brasileira.
  • Moura, M.L.R., (1999, nov.). Constituição familiar e função paterna. Carrossel, 3(3e4), 103-109.
  • Neves, E.M.B., (2008). A lei do amor e a herança do real do pai. Letra Clínica, (2), 73-78.
  • Niceas, C.A., (1998, mar.). O grupo analítico e a religião. Latusa, (2), 91-104.
  • Patoux-Guerber, C., (2001, nov.). Juízes para salvar o pai? Curinga, (17), 96-105.
  • Puig, M., (1998). Otra vez el padre? Freudiana, (23), 19-35.
  • Santiago, J., (1998, abr.). O pai não nos surpreende mais...Opção Lacaniana, (21), 24-27.
  • Stevens, A., (1996, set.). A família , o declínio da paternidade e o declínio da virilidade. Curinga, (8), 105-108.
  • Stiglitz, G., (2005). A indecisão da origem. In B.R., de Castro (trad.) Scilicet Nomes-do-pai. Rio de Janeiro: EBP.
  • Ubieto, J.R. (1999). Família y condiciones de goce. Freudiana, (25), 67-71.

• Transexualidade

  • Arsemet, F., (2015, ago.). Escolher seu sexo: usos contemporâneos da diferença dos sexos. Latusa, (20), 23-35.
  • Beneti, A. (2013, abr.). Qual é o sexo?. Opção Lacaniana, (65), 77-81.
  • Gorali, V. Et al. (2007). Intersexo: una clínica de la ambiguedad sexual. Buenos Aires: Grama.
  • Moreira Junior, W.C. & Santos, A.S.C., (2012). A ciência a serviço do delírio: "Como seria belo ser uma mulher!". In Santos, T.C., Santiago, J., Martello, A. (orgs.), De que real se trata na clínica psicanalítica?: psicanálise, ciência e discursos da ciência (pp. 195-230). Rio de Janeiro: Cia. de Freud.
  • Paulozky, D., (2012, nov.). La sexualidad como mascarada. Mediocho, (38), 55-60.
  • Sauvagnat, F., (2013). Nota sobre le evolución de la noción de transexualismo. In Torres, M., Transformaciones (pp. 193-208). Olivos: Grama Ediciones.
  • Yellati, N., (2014). Transexualismo. In Fari, P. (Ed.). Um real para o século XXI (pp.388-391). Minas Gerais: Scriptum.

• Tribus urbanas

  • Baptista, M.E.N., (2006, mai.). Os bebês na série dos gadgets. Opção Lacaniana, (45), 64-67.
  • Flórez, E. & Gaviria, L.E., (2009). La identificación y el otro contemporâneo. In Flórez, E., Gallo, H., Gaviria, L.E. et al. (orgs.), Actualizaión de conceptos de la prática clínica (pp. 41-59). Medellín: NEL.
  • Forbes, J., (2008). Maktoub? A influência da psicanálise sobre a expressão dos genes. Opção Lacaniana, (52), 158-162.
  • Laurent, E., (2005, nov.). O nome-do-pai entre o realismo e o nominalismo. Opção Lacaniana, (44), 92-109.
  • Palomera, V. (2006, dez.). Novas configurações das paternidades: a partir do direito. Opção Lacaniana, (47), 27-31.
  • Sinatra, E., (2013). @s nov@s adit@s: a implosão do gênero na feminização do mundo. Cera, F. (trad.), Florianópolis: cultura e barbárie.

• Segredos de família

  • Bonningue, C., (1999, abr.). Secret de famille et castration. La cause freudienne- revue de psychanalyse, (41), 89-92.
  • Briole, G., (2011, nov.). Essa cicatriz, aqui. Opção Lacaniana, (61), 155-160.
  • Merlet, A., (2008, dez). Déception-trahison. La Cause freudienne: Nouvelle Revue de Psychanalyse: Le rapport sexuel au XXI siècle. Paris: Navarin, n.70, 53- 57.
  • Reznik, D.D. & Salem, P., (2010). Duas faces da noção de segredo em psicanálise. Cadernos de Psicanálise – CPRJ, 32(23), 93-105.
  • Rubio, C.L., (2014, ago.). O corpo na adoção, com ou sem segredo. Apalavra, (4), 120-125.